Notícias

Curso de LIBRAS chega ao fim e segunda edição está sendo preparada

Os alunos da primeira edição do curso de LIBRAS, promovido pela Escola dos Magistrados da Bahia (EMAB), em parceria da Escola de Gestão Inclusiva, foram unânimes de que o mesmo proporcionou conhecimento na Língua Brasileira de Sinais em nível básico, reconhecendo a importância da utilização da Libras no cotidiano judicial.

O curso teve início no dia 17 de maio, com aulas, teóricas e práticas, ministradas em plataforma virtual, pelo Educador Executivo, professor e intérprete de Libras André Farias. O objetivo foi contribuir para a adequação das atividades do Judiciário e de seus serviços em relação às determinações estabelecidas pela Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, transpondo barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes.

A inovação das atividades realizadas com essa turma esteve relacionada à prática da conversação desde a primeira aula, com os alunos se apresentando com os primeiros sinais em Libras, usando o Alfabeto Datilológico. Além disso, o curso contou com a presença de pessoas surdas em algumas aulas, nas quais os alunos fizeram a socialização de seus aprendizados.

Coordenadora do Curso, a juíza Carmelita Arruda fez uma avaliação sobre a dinâmica das aulas, que veio com a proposta de ser um curso mais prático do que teórico. “A intenção era fazer o aluno ter uma noção da língua logo nas primeiras aulas. Queríamos que eles saíssem de cada aula, prontos para se comunicarem em LIBRAS quando necessário. Estamos muito felizes por ter conseguido esse feito logo com a primeira turma. A ideia é transformar pessoas, é chegar a um percentual muito grande da população, sabendo pelo menos, o nível básico da língua”, afirmou.

A coordenadora-geral da EMAB, desembargadora Joanice Guimarães, falou sobre a importância da realização do curso pela EMAB e cita que a Língua Brasileira de Sinais –LIBRAS, é extremamente necessária no âmbito judicial. “A população de pessoas surdas, tem o mesmo direito e necessidades de se comunicar, principalmente junto ao judiciário. Precisamos conciliar a necessidade de atendimento do judiciário e assegurar os seus direitos. A justiça é quem garante a cidadania e essas pessoas precisam ser entendidas para que elas tenham voz vez. Por isso, estamos formulando a 2ª edição do curso, com o objetivo de alcançar os administradores dos fóruns de todo o estado da Bahia”, declara a desembargadora.

Na finalização do curso, o docente André Farias destacou alguns relatos positivos recebidos como feedback do curso, tais como “o curso despertou o amor pela Libras e pela comunidade surda”, “agradeço por poder participar de um curso cheio de empatia, humanidade e o mais importante, tão relevante para a comunidade”.

VISITA – Na última sexta-feira, 27/08, o Professor André Farias, esteve na Sede da AMAB para conhecer as instalações e tratar da preparação da 2ª edição do curso de Libras, que seguirá a mesma linha da anterior. Serão 40 horas/aula, ministradas, em plataforma virtual. Na ocasião, André conheceu pessoalmente Elineia Santos, Secretária Administrativa da EMAB e uma de suas alunas Laíza Ramos, Jornalista da Associação dos Magistrados da Bahia – AMAB.